3 de dezembro de 2008

Palavras Partilhadas - Prêmio Dardos

Hoje, tive a feliz notícia que o blog Palavras Partilhadas recebeu o Prêmio Dardos, que homenageia os blogs que transmitiem valores culturais, éticos, literários, pessoais, que demonstram a sua criatividade através do pensamento vivo que está e permanece intacto entre suas letras, entre as suas palavras. Esses selos foram criados com a intenção de promover a confraternização entre os bloguistas, uma forma de demonstrar carinho e reconhecimento por um trabalho que agregue valor à Web (palavras de Paula Silva).
Quem recebe o Prêmio Dardos e o aceita deve seguir algumas regras:1. Exibir a distinta imagem;2. Linkar o blogue pelo qual recebeu o prémio;3. Escolher 15 outros blogues a quem entregar o Prémio Dardos.
O blog Palavras Partilhadas indicou, em toda web, na sua lista de 15 blogs o Lector In Fabula. Desejo compartilhar com os leitores a felicidade deste reconhecimento colateral. Solicito aos leitores que participem com seus comentários e opiniões, para que se seja construída uma rede sem fronteiras neste mundo da arte que é a literatura.
E agradeço, particularmente, à Paula Silva e ao Palavras Partilhadas pela indicação.
Em homenagem às Terras Portuguesas, termino com palavras de Lídia Jorge:
"O Mundo é uma extensa narrativa, mas quem lhe tece a intriga, grande ou pequena, somos nós."

3 comentários:

ataulfocomrainha disse...

Olá Nélida,

São muitos os assuntos. Vamos por partes, mas dispensemos o Jack.

Antes de qualquer coisa, adoro quando você vem ao nosso encontro. Em especial,ultimamente, quando tenho me ressentido muito da escassez de Ataulfo, encontrá-la à mesa, para que possamos conversar mais um pouco tem sido um prazer. Obrigada.

Parabéns! Adorei saber que o Lector foi indicado ao prêmio e, mais uma vez, lá fui eu navegar em outros mares, orientada pelos farois sensíveis desta sua ilha na Web.

A respeito da sua sugestão no ataulfocomrainha: sim, já li muita coisa do Baumann. É um pensador feroz quanto ao nosso tempo. Valiosa denúncia da nossa barbárie.

Uma vez, há algum tempo, fiquei aliviadíssima quando soube que uma pessoa a quem eu admirava também não sabia andar de bicicleta, como eu. Quando criança, quebrei os dentes da frente naquela geringonça e não quis mais saber de equilibrar-me em duas rodas. Aquele artefato circense! Mas sentia vergonha em declarar minha incapacidade e disfarçava. Vivi a mesma sensação com seu post anterior. Perdi as contas de quantas vezes me deliciei com livros infantis. Textos, rabiscos e ilustrações. Um parque, um jardim. Nos vemos em breve. Beijo. Guilhermina

Nélida Capela disse...

Eu é quem tenho o maior prazer em conversar com Rainha Guilhermina! Eu é que agradeço pelas visitas que me dão o maior prazer. Assim como você, adoro os diálogos, detesto os monólogos.

Beijos!

Nélida Capela disse...

Devo confessar que estou encantada com a conexão com terras lusas.