31 de março de 2009

Type Writer (1)

Hoje, já não utilizamos mais máquinas de escrever.
Mas houve um dia em que essa preciosidade foi cobiçada por muitos.
(Imagem enviada por Paula Silva - blog Palavras Partilhadas)

7 comentários:

Leonardo Pastor disse...

Admito que nunca usei uma máquina de escrever...

Amábile - Mãe de dois disse...

eu já usei e aindatemos alguns exemplares guardados na familia

Nelida Capela disse...

Pois é, Leo, um dia usamos a máquina de escrever. Acredita que tínhamos que fazer até curso? Olha que eu só tenho 38 anos. Amábile, pelo visto, é colecionadora. Quando estive em NY da última vez, havia uma exposição atrás da NY Public Library: lixeira de ferro lindas e enormes carregadas de máquinas de escrever. Dá para imaginar a mensagem?

Ana Filipa Silva disse...

Eu estou prestes a fazer 29 anos e lembro da minha mãe, na sua vida profissional como escriturária e secretária, utilizar a máquina de escrever. Para mim, pequena, era um brinquedo e tanto. Lembro-me daquelas pretas, grandes e pesadas que tínhamos de empurrar com a mão direita um manípulo para passar para a linha de baixo; lembro-me das mais levezinhas e claras, até chegarem as mais modernas, ligadas à corrente. E mais para o final, lá apareceu o computador. E deixou-se de ouvir o tlimm da máquina para se ouvir o barulho do teclado do computador, uma espécie de piano com melodia menos amorosa aos nossos ouvidos e concentração. Ou será que esta divagação apenas são saudades do tempo de escriturária da minha mãe... do tempo em que ela trabalhava na dactilografia com um papel pendurado que tinha de passar à máquina. Um papel rasurado pela letra apressada de um doutor... Foi bom passar por aqui e recordar.
Obrigada pela partilha.

Nelida Capela disse...

Obrigada, Ana, pela visita! Recebestes meu e-mail com as informações que solicitastes?

Zandali disse...

Nossa, lembro quando meu pai comprou minha Olivetti em prestações!! adorava escrever nela...

Nelida Capela disse...

Máquinas de escrever...sempre uma lembrança