8 de maio de 2009

Fragmento de Lygia Fagundes Telles (1)

Da Vocação in A Disciplina do Amor
"Na vocação para a vida está incluído o amor. Inútil disfarçar, amamos a vida. E lutamos por ela dentro e fora de nós mesmos. Principalmente fora, que é preciso um peito de ferro para enfrentar essa luta na qual entra não só o fervor mas uma certa dose de cólera, fervor e cólera. Não cortaremos os pulsos, ao contrário, costuraremos com linha dupla todas as feridas abertas. E tem muita ferida porque as pessoas estão bravas demais...Costurar as feridas e amar os inimigos que odiar faz mal ao fígado (...) ousar o risco. Sem chorar, aprendi bem cedo os versos exemplares, não chores que a vida/é luta renhida. Lutar com aquela expressão de criança que vai caçar borboleta, ah, como brilham os olhos de curiosidade." (p.46)
Sempre fui apaixonada por este livro de fragmentos que Lygia Fagundes Telles escreveu. Um livro de fragmentos editado originalmente em 1980 e que conheci em 1993, quando recebi de Lygia o presente. Na primeira página em branco, reservada para a dedicatória do autor, o texto com a letra inconfundível:
Para Nélida Cristina, esta disciplina de roupa nova, pretexto para um abraço desta sua autora Lygia Fagundes Telles. Março, 1993. - O belo mármore da capa é de Camille Claudel, a discípula e amada de Rodin. L.
Conheci muitos escritores depois disso, em raríssimos encontrei o fogo que arde de amor pela literatura e pelo ser humano como vi em Lygia.

Nenhum comentário: