19 de julho de 2009

Isso é Coisa de Lilly indica seu 12º Livro de 2009

Um livro consistente, sobre filosofia, pra quem gosta de filósofos jovens como Jostein Gaarder e Alain de Botton. A escritora, Muriel Barbery é como sua protagonista Paloma, uma mulher tímida e avessa ao oba oba da publicidade. Este livro foi publicado em 2006 com muito sucesso. As protagonistas do romance são Renée Michel e Paloma Josse. Renée é a 27 anos a zeladora (concierge) do predio da Rua Grenelle, numero 7, um endereço de luxo, ponde moram famílias ricas. Tem 54 anos, baixa, gorda, viúva, faz questão que as pessoas a encaixem no estereótipo da zeladora-padrão, ou seja uma pessoa grosseira, sem cultura, quase débil mental. Na verdade Renée uma moça que não estudou e veio do campo, mas é uma leitora voraz, admiradora de artes, filosofia, cinema japonês e muito culta. Ela oculta de seus patrões seu bom gosto pelas coisas boas e finas. Renée tem uma única amiga, a portuguesa Manuela, que embora sendo faxineira do prédio, é uma aristocrata, uma mulher que nasceu para ser uma rainha. As duas se reunem às terças e quintas para um chá da tarde em que são devorados entre comentários da vida dos moradores, finos doces feitos pela portuguesa. Paloma Josse tem 12 anos e uma inteligência extraordinária. Mesmo se esforçando para não aparentar brilhantismo consegue ser a 1ª aluna da classe. Nas primeiras páginas do livro Paloma decide que no dia de seu aniversário de 13 anos irá se suicidar e colocar fogo no apartamento onde mora, pois não concorda com o mundo onde vive, onde as falsas aparências e a hipocrisia é que contam. A narrativa do livro segue alternando os pensamentos de Renée e o diário que Paloma escreve dividido em Diário do Movimento do Mundo e Pensamentos Profundos, dedicados ao corpo e à mente respectivamente. Através dos pensamentos de Renée e de suas conversas conversas com Manuela, e dos diários de Paloma, vamos conhecendo todos os moradores do luxuoso edifício. Quando Pierre Arthens, o critico gastronômico falece e seu apartamento é vendido, ocorre uma transformação na vida das duas mulheres. O apartamento é comprado pelo Sr. Kakuro Ozu, que no primeiro encontro com a concierge Renée descobre ser ela uma pessoa culta disfarçada de serviçal. Aos poucos Paloma faz amizade com o sr Ozu, e em seguida com Renée e vê nela o mesmo que Ozu. É para Ozu que Paloma define o que é ter a elegancia do ouriço, pois assim ela define Renée: “ A senhora Michel tem a elegância do ouriço: exteriormente, está coberta de espinhos, uma autêntica fortaleza, mas pressinto que, no interior, também é tão requintada como os ouriços que são uns animaizinhos falsamente indolentes, ferozmente solitários e terrivelmente elegantes.” Nasce uma amizade entre os três presenciada por Manuela, e Renée incentivada pela amiga começa a se arrumar melhor enquanto Paloma vai aos poucos abandonando suas tendências suicidas. Apesar do rótulo”zeladora ranzinza” e “adolescente problemática” é impossivel não gostar destas duas personagens. Um desfecho emocionante ( que eu não vou contar, ok). Um livro que li na viagem, mas pretendo reler. (Texto de Lilly na íntegra).

2 comentários:

Marcos Ferraz disse...

Olá, gostei da indicação. Já entrou na minha (cada vez maior) lista de livros para comprar.
Não vai dar para ler 50 livros no ano, mas fica o desejo...

marieloupe disse...

Minha sobrinha resolveu virar leitora... Pediu indicação pra tia coruja. E qual não foi minha indicação, senão a Elegância do Ouriço.

Iniciação na leitura e no amor a Paris. Dois traços inimitáveis da alcateia familiar...

De quebra, incendiar a fornalha do pensar.