9 de novembro de 2009

Do mesmo autor de O Caçador de Andróides

Como muitos dos primeiros trabalhos de Philip K. Dick, Vozes da rua foi considerado inadequado para publicação quando foi apresentado aos editores. Escrito no começo dos anos 1950, o livro permaneceu inédito por mais de 50 anos, sendo lançado nos Estados Unidos somente em janeiro de 2007. O romance revela um lado de sua obra até então pouco conhecido do grande público. Normalmente associado à ficção científica, o autor de O caçador de andróides e O homem duplo, ambos publicados no Brasil pela Rocco, se debruça sobre o seu tempo e se mostra um escritor crítico e irônico do cotidiano. Neste romance, o personagem principal é Stuart Hadley, um jovem nascido para o sucesso. Bonito, educado, com uma jovem esposa grávida e devotada, Hadley tem uma carreira ascendente, de vendedor a gerente em uma loja de eletrônicos, mas ainda assim deseja mais. Porém, não consegue descobrir o que quer. Essa crise existencial, o leva a se envolver com o culto à Sociedade das Sentinelas de Jesus, liderada pelo carismático Theodore Beckheim. O flerte de Stuart com o movimento afasta o jovem cada vez mais da sua plácida vida de classe média e cria uma sinistra associação com a misteriosa Marsha Frazier. Hadley então se revela um jovem irritado, um artista, um sonhador, um depressivo que tenta preencher o vazio que o angustia com bebidas, sexo e fanatismo religioso. Mas nada disso parece satisfazê-lo plenamente, o que o deixa ainda mais furioso, e ele passa a reagir ao amor de sua esposa e à amizade e gentileza de seu patrão com medo e ansiedade. Quase 25 anos após sua morte, Philip K. Dick continua prendendo a atenção de milhões de leitores em todo o mundo. Com seu impecável olho para detalhe, o autor cria uma obra repleta de referências ao ambiente social, às atitudes políticas e às contradições do dia a dia, ilustrando de maneira brilhante um importante período de transição da cultura americana ao acompanhar a descida de Stuart Hadley rumo à depressão e à loucura. (Texto do site da Editora Rocco)

Um comentário:

Gênio do crime disse...

Ruinzinho para caramba... Acho que os livros do K. Dick só servem para virar filme, já tentei uns cinco e achei todos fracos...