31 de julho de 2009

Siempre Borges...

Tal como recomenda-se ler Cartas a um Jovem Poeta, de Rainer Maria Rilke, recomendo a leitura do Ensaio Autobiográfico, de Jorge Luis Borges, recém lançado pela Companhia das Letras. Nas páginas do ensaio é possível sentir a natureza poética e genial de Borges. É possível compreender como foi povoado o imaginário desse autor, que para passar desapercebido pelas salas da Biblioteca Nacional Argentina, escondia-se no porão, lendo sobre mitologias e outros mundos. Se numa dessas brincadeiras da internet fosse proposto a cada um de nós escolher um livro que nos representasse, eu, sem sombra de dúvida, escolheria o Ensaio Autobiográfico ou Poesia, de Borges. Então, quem quer revelar que livro representa? Fica a dica da brincadeira e a dica desta leitura maravilhosa. Mais informações no site da Companhia das Letras.

28 de julho de 2009

HQ (1) - Persepolis 2.0

A linguagem dos quadrinhos, na minha opinião, é direta e revolucionária. Consegue alcançar continentes inabitados pelo texto. Adoro Persepolis. Sugiro a leitura, inclusive na versão 2.0 - confiram!

26 de julho de 2009

Aniversário no Bar Urca (1)

Astromélias, caixa em formato de coração para lembrancinhas,
caldo de frutos do mar e caipirinha de limão !

24 de julho de 2009

Soltando os Cachorros sobre o Acordo Ortográfico

Por mais que eu reclame, não tem jeito, é necessário estudar e entrar em acordo com a nova ortografia. Escolhi a edição da Lexikon, com organização e texto de Paulo Geiger e Renata de Cássia Menezes da Silva. A edição tem um tamanho ótimo, dá para carregar na bolsa e o preço é bacana. É o tipo de edição que informa sobre o histórico da rica língua portuguesa e suas modificações. Vamos valorizar nossa língua e estudá-la para assim nos expressarmos melhor? Clique aqui e conheça o Game da Reforma Ortográfica.

23 de julho de 2009

Tania Capel, do Clube da Luluzinha, indica seu 19º Livro do Ano

Olá amigos do "Desafio 50 livros em 2009" e outros leitores destas mal traçadas linhas... rs! piegas, mas adoro esse começo! rs.. Bom, vou deixar de seguir a ordem de leitura, partindo dos comentários que se encontram prontos nos rascunhos, ok?! Portanto, indico um livro que a Nelida do Lector in Fabula já havia comentado no mês de abril, se não em engano e que tive o prazer de encontrar na livraria outro dia: O Grande Mago, Christian Jaq – Bertrand Brasil, 2009.(Mozat, v.1) (409 p.)Definido como: "Uma jornada eletrizante na vida do maior compositor de todo os tempos." Não posso deixar de concordar! Eu devorei o livro...“- Trata-se realmente de uma pessoa excepcional – afirmou Otto von Gemmingen. - A sensibilidade dele não é sentimentalismo, mas compreensão do coração. O olhar de Wolfgang vê paisagens de cuja existência nem suspeitamos e acho que ele á capaz de transmitir essa visão pela música. Será que o destino irá persegui-lo por muito tempo?” (p.387)Christian Jacq, autor da série Ramsés, irá revelar em quatro volumes os laços secretos que uniam Mozart à franco-maçonaria. No primeiro, retrata a infância do compositor:“Com apenas sete anos, ele não só já havia feito longas viagens, mas também se apresentará em Praga, Viena e Frankfurt. Esse menino tinha um segredo que lhe dava forças quando se sentia muito cansado, um tesouro só dele.”Aguardamos lançamento do Vol 2. O Filho da Luz:“Primeiro uma sinfonia; depois uma serenata... Mozart não parava de compor, como se a sua vida dependesse da composição. Entretanto, essa independência desagradava profundamente o príncipe-arcebispo de Salzburgo, que exigia obediência. Mozart não desiste e se torna Aprendiz franco-maçom aos 28 anos. As Bodas de Fígaro estão a caminho...”
(texto de Zandali na íntegra)

Produzindo sobre O Caderno, de José Saramago

Pensando no conteúdo para o Lector in Fabula.
(exemplar cedido pela Livraria Timbre)

21 de julho de 2009

Cats (2)

on reading...

Amigos da Confraria dos 50 e os 55 Seguidores do Lector in Fabula

O Dia do Amigo foi ontem, mas não será todos os dias? Para os leitores e amigos do Lector in Fabula, desejo as melhores leituras, 365 dias ao ano. Aqui há espaço para todos. Sejam sempre bemvindos! Agradeço a cada um de vocês pela participação, sem vocês este blog não existiria. O Lector in Fabula é para vocês.

19 de julho de 2009

Isso é Coisa de Lilly indica seu 12º Livro de 2009

Um livro consistente, sobre filosofia, pra quem gosta de filósofos jovens como Jostein Gaarder e Alain de Botton. A escritora, Muriel Barbery é como sua protagonista Paloma, uma mulher tímida e avessa ao oba oba da publicidade. Este livro foi publicado em 2006 com muito sucesso. As protagonistas do romance são Renée Michel e Paloma Josse. Renée é a 27 anos a zeladora (concierge) do predio da Rua Grenelle, numero 7, um endereço de luxo, ponde moram famílias ricas. Tem 54 anos, baixa, gorda, viúva, faz questão que as pessoas a encaixem no estereótipo da zeladora-padrão, ou seja uma pessoa grosseira, sem cultura, quase débil mental. Na verdade Renée uma moça que não estudou e veio do campo, mas é uma leitora voraz, admiradora de artes, filosofia, cinema japonês e muito culta. Ela oculta de seus patrões seu bom gosto pelas coisas boas e finas. Renée tem uma única amiga, a portuguesa Manuela, que embora sendo faxineira do prédio, é uma aristocrata, uma mulher que nasceu para ser uma rainha. As duas se reunem às terças e quintas para um chá da tarde em que são devorados entre comentários da vida dos moradores, finos doces feitos pela portuguesa. Paloma Josse tem 12 anos e uma inteligência extraordinária. Mesmo se esforçando para não aparentar brilhantismo consegue ser a 1ª aluna da classe. Nas primeiras páginas do livro Paloma decide que no dia de seu aniversário de 13 anos irá se suicidar e colocar fogo no apartamento onde mora, pois não concorda com o mundo onde vive, onde as falsas aparências e a hipocrisia é que contam. A narrativa do livro segue alternando os pensamentos de Renée e o diário que Paloma escreve dividido em Diário do Movimento do Mundo e Pensamentos Profundos, dedicados ao corpo e à mente respectivamente. Através dos pensamentos de Renée e de suas conversas conversas com Manuela, e dos diários de Paloma, vamos conhecendo todos os moradores do luxuoso edifício. Quando Pierre Arthens, o critico gastronômico falece e seu apartamento é vendido, ocorre uma transformação na vida das duas mulheres. O apartamento é comprado pelo Sr. Kakuro Ozu, que no primeiro encontro com a concierge Renée descobre ser ela uma pessoa culta disfarçada de serviçal. Aos poucos Paloma faz amizade com o sr Ozu, e em seguida com Renée e vê nela o mesmo que Ozu. É para Ozu que Paloma define o que é ter a elegancia do ouriço, pois assim ela define Renée: “ A senhora Michel tem a elegância do ouriço: exteriormente, está coberta de espinhos, uma autêntica fortaleza, mas pressinto que, no interior, também é tão requintada como os ouriços que são uns animaizinhos falsamente indolentes, ferozmente solitários e terrivelmente elegantes.” Nasce uma amizade entre os três presenciada por Manuela, e Renée incentivada pela amiga começa a se arrumar melhor enquanto Paloma vai aos poucos abandonando suas tendências suicidas. Apesar do rótulo”zeladora ranzinza” e “adolescente problemática” é impossivel não gostar destas duas personagens. Um desfecho emocionante ( que eu não vou contar, ok). Um livro que li na viagem, mas pretendo reler. (Texto de Lilly na íntegra).

17 de julho de 2009

O Caderno de José Saramago

Chega às livrarias nesta semana O Caderno de José Saramago, livro com os posts publicados no blog do autor. Isso comprova que a plataforma digital não esbarra negativamente no movimento do mercado editorial. Há lugar para todos!

15 de julho de 2009

Nélida Capela Convida para a Comemoração do seu Aniversário

a partir das 11hs
26 de julho de 2009
Mureta do Bar Urca
Rua Candido Gafrée, 205
(ao lado do Forte São João)
Urca - Rio de Janeiro
PS: Pode levar sua cadeirinha de praia.
Crédito da foto: André Miranda
Possíveis presentes poderão ser substituídos
por 1kg de ração para cão ou gato.
Toda a arrecadação será destinada ao Projeto de
Reabilitação de Animais Abandonados do Alto da Boa Vista.

14 de julho de 2009

@LivrariaTimbre no Twitter

Twitter é uma rede social e servidor para microblogging que permite aos usuários que enviem e leiam atualizações pessoais de outros contatos (em textos de até 140 caracteres, conhecidos como "tweets"). As atualizações são exibidas no perfil do usuário em tempo real e também enviadas a outros usuários que tenham assinado para recebê-las. O serviço é grátis na internet.
A Livraria Timbre, que desde 1978 traz novidades para os leitores, foi a primeira livraria carioca a entrar na Rede Twitter. Tornando-se um seguidor, Follower, da @LivrariaTimbre, você terá acesso a sugestões de livros, informações sobre autores, eventos e muitas outras novidades do mercado editorial e livreiro. Tweet já!

11 de julho de 2009

A divulgação do livro no Brasil hoje (1)

Como costumo dizer, o mercado editorial brasileiro está amadurecendo, a olhos vistos. Antigamente, eram pouquíssimos os livros lançados, tanto é que esperávamos com ansiedade certas épocas do ano escolhidas pelos poucos editores. Quantas editoras tinham um designer só para capas de livros? Quantas editoras podiam contar com um elenco de bons autores? Como era a distribuição de livros - você encontrava livros com facilidade em qualquer livraria? Essas e outras perguntas demosntram que o mercado hoje mudou. A cada semana que entro numa livraria, vejo desde a vitrine até as mesas de destaque um mosaico de diferentes títulos - todos muito bons. Hoje se edita muito e livros com muita qualidade de texto, de edição. É claro, encontramos alguns que nao merecem nota, mas vamos ser realistas, o livro que eu gosto pode ser um que você não gosta. Que tal respeitarmos os gostos alheios? Há livros para todos os gostos, significa que o leitor é levado em consideração.
Mas este post é para falar do trabalho que o grupo editorial Ediouro tem feito: foram os primeiros a ter Twitter, a fazer hotsites, a entrar em contato com os bloggers, a fazer material de divulgação para os livreiros. Foram pioneiros em renovar o mercado com novidades de marketing. Isso é muito bom, afinal, livro também é um produto e como tal merece respeito. Quando estou em livrarias, vejo que os leitores ainda imaginam que a livraria é uma biblioteca. People, lamento dizer, livraria não é biblioteca. A livraria é viva, composta por pessoas que gostam de livros. Na livraria vendem-se livros. Para não perder o fio, voltemos à Ediouro. O grupo editorial que conta hoje com editoras como Ediouro, Nova Fronteira, Pixel, Thomas Nelson, Desiderata, PlugMe (áudiolivros), Agir, Guiness, entre outras, contratou a Agência Frog para trabalhar os títulos e fazer seu marketing digital. Hello, editoras, não dá mais para ignorar as mídias sociais, viu?! A Frog desenvolve e faz a gestão do conteúdo de forma discreta e responsável, sem esquecer que estamos num mundo de tags e resultados. A todo momento somos medidos. Vejam abaixo alguns números:

Então, vocês concordam que o mundo editorial está mudando em muitos aspectos e o leitor é o mais beneficiado com isso?

As Poderosas Rainhas

Tenho um vício, confesso: ler mais de um livro ao mesmo tempo. É inevitável. É como seu eu necessitasse da vida de cada um dos seus diferentes personagens - todos ao mesmo tempo me invadindo e preenchendo. Para completar a leitura do momento, conforme a lista de disponibilizei na coluna à direita, avanço nas páginas do As Poderosas Rainhas - adoro esse título, poderosas e rainhas, duas palavras de efeito positivo - pense nisso: o efeito positivo das palavras que atravessam tão sutilmente nosso cotidiano. É um livro sobre as mulheres da família - quem não tem suas memórias? Para conhecer um pouco da história, entre no hotsite que e Ediouro fez para divulgar o livro.
Mamãe e eu costumávamos conversar ao telefone sobre nossos gatos - um de nossos assuntos preferidos. Gostávamos de contar suas travessuras e escolher que artistas de cinema seriam ideais para interpretá-los num filme. Um dos gatos de mamãe, Blackie, um gato neurótico que parecia uma criança abandonada de smoking, estava passando por uma crise de ansiedade que se manifestava na trituração dos estofamentos - Ele parece sempre pronto a partir para uma festa black-tie - ela disse. - Ele é lindo, claro, até parece William Powell, mas infelizmente se comporta como Don Knotts. (p. 104)
Para mim, as duas peguntas mais difíceis de responder sempre foram: "Quem eu sou?" e "O que eu quero?". (p. 120)

Fragmentos de A Morte do Gourmet

Minha querida amiga leonina, Ana Perin, que veio de Nova Prata para o Rio de Janeiro há muito tempo, carioca-gaucha ou gaucha-carioca, para nos brindar com uma cultura rica e cheia de magia, fez o favor de furar a minha fila de livros com A Morte do Gourmet - ela sabe que gosto disso. O livro é a superação da descrição de sentimentos, sensações, memórias e conhecimento que a jovem escritora francesa, Muriel Barbery, já escreveu. É do tipo de livro que tem em suas frases a ornamentação espartana com a magia grega - como explicar isso? Só entrando no texto, sorvendo-o tal como a completa descrição do sashimi. Entre uma e outra imagem, fragmentos para incentivar a leitura.
__________________
A primeira vez foi no Marquet. É preciso ter visto aquilo, é preciso ter visto ao menos uma vez na vida aquela grande fera tomando posse da sala, aquela majestade leonina, aquele meneio de cabeça real para saudar o maître, como um frequentador assíduo, como um hóspede de prestígio, como o proprietário. Ele fica em pé, quase no meio da sala, conversa com Marquet, que acaba de sair da cozinha, de sua toca, põe a mão em seu ombro enquanto se encaminham para a mesa dele. (p.25)
Foi um deslumbramento.O que transpôs assim a barreira de meus dentes não era matéria nem água, apenas uma substância intermediária que, de uma, guardada a presença, a consistência que resiste ao nada, e da outra tomara empréstimo a fluidez e o macio milagrosos. O verdadeiro sashimi não se morde, e tampouco derrete na língua. Convida a uma mastigação lenta e flexível, que não tem como fim fazer o alimento mudar de natureza mas somente saborear sua aérea molecieza. (p.53)

10 de julho de 2009

Enviado por Carolina Pinho para o Lector in Fabula

Enviado para você por Carolina através do Google Reader: Leituras para o Verão
via O Caderno de Saramago de José Saramago em 09/07/09
Com os primeiros calores, já se sabe, é fatal como o destino, jornais e revistas, e uma vez por outra alguma televisão de gostos excêntricos, vêm perguntar ao autor destas linhas que livros recomendaria ele para ler no Verão. Tenho-me furtado sempre a responder, porquanto considero a leitura actividade suficientemente importante para dever ocupar-nos durante todo o ano, este em que estamos e todos os que vierem. Um dia, perante a insistência de um jornalista teimoso que não me largava a porta, resolvi ladear a questão de uma vez por todas, definindo o que então chamei a minha “família de espírito”, na qual, escusado será dizer, faria figura de último dos primos. Não foi uma simples lista de nomes, cada um deles levava a sua pequena justificação para que melhor se entendesse a escolha dos parentes. Incluí nos Cadernos de Lanzarote a imagem final da “árvore genealógica” que me tinha atrevido a esboçar e repito-a aqui para ilustração dos curiosos. Em primeiro lugar vinha Camões porque, como escrevi em O Ano da Morte de Ricardo Reis, todos os caminhos portugueses a ele vão dar. Seguiam-se depois o Padre António Vieira, porque a língua portuguesa nunca foi mais bela que quando a escreveu esse jesuíta, Cervantes, porque sem o autor do Quixote a Península Ibérica seria uma casa sem telhado, Montaigne, porque não precisou de Freud para saber quem era, Voltaire, porque perdeu as ilusões sobre a humanidade e sobreviveu ao desgosto, Raul Brandão, porque não é necessário ser um génio para escrever um livro genial, o Húmus, Fernando Pessoa, porque a porta por onde se chega a ele é a porta por onde se chega a Portugal (já tínhamos Camões, mas ainda nos faltava um Pessoa), Kafka, porque demonstrou que o homem é um coleóptero, Eça de Queiroz, porque ensinou a ironia aos portugueses, Jorge Luis Borges, porque inventou a literatura virtual, e, finalmente, Gogol, porque contemplou a vida humana e achou-a triste.Que tal? Permitam-me agora os leitores uma sugestão. Organizem também a sua lista, definam a “família de espírito” literária a que mais se sentem ligados. Será uma boa ocupação para uma tarde na praia ou no campo. Ou em casa, se o dinheiro não deu para férias este ano.

8 de julho de 2009

Isso é Coisa de Lilly indica seu 11º Livro de 2009

A garota das laranjas, de Jostein Gaarder.
Pípol, o cara é mundialmente-universalmente-galacticamente famoso e ainda precisa colocar na capa “do autor de O mundo de Sofia”? Precisar não precisa, maaas. Como todo livro dele, você cai de cabeça, querendo viver tudo aquilo e querendo ter sido você a pronunciar/escrever aquelas palavras. Um jovem pai com câncer escreve uma carta para o filho . Ele tinha muito o que dizer, mas pouco tempo e se deixasse uma carta ao morrer esta poderia ser lida pelo filho em uma momento que ele não entendesse. A intenção é que o filho a encontrasse aos 12 anos. A carta, na verdade um manuscrito, foi encontrada quando ele tinha 15. Na carta, o pai, Jan Olav conta ao filho Georg detalhes de momentos passados juntos, com medo que o filho se esqueça dele. E diz que vai contar também uma estória. É sobre a garota das laranjas. No manuscrito, Jan intercala a estória que estava contando com detalhes da amizade deles, coisas que Georg nem se lembrava mais e que se reavivam em sua memória. A narrativa dele é intercalada com os pensamentos de Georg. Depois da morte do pai, a mãe de Georg se casou novamente e teve uma filhinha. Georg aceita bem o novo marido da mãe, e ama a irmã, então a carta do pai vem abalar um pouco o mundinho dele. Aos poucos Jan conta ao filho a estória pretendida, e nela, tudo o que um pai precisa falar para o filho em relação à vida, ao amor, sexo e morte. Veronika, a mãe de Georg é a garota das laranjas e a estória é de como se encontraram e decidiram ser felizes. Há um trecho especialmente tocante e do qual eu gostei muito: “ Perguntem aos seus pais como eles se conheceram. Pode ser que eles contem uma historia interessantíssima. Se não tiverem certeza de que eles vão contar exatamente a mesma história, perguntem a cada um separadamente.E não se surpreendam se eles ficarem sem jeito no começo. É assim mesmo. Esses contos de fada sobre os quais nós acabamos de conversar nunca são perfeitamente iguais, mas agora eu percebo, pouco a pouco, que todo conto de fadas tem regras mais ou menos rígidas, que tornam difícil falar neles.Talvez vocês devam tentar contorná-las. Nem sempre é fácil tomá-las ao p-e da letra, e existe uma coisa que a gente chama de “tato“.Quanto mais minuciosa for a história, tanto mais dá nos nervos ouvi-la, pois bastava alterar um pequeno detalhe para que o final fosse totalmente diferente, para que vocês não tivessem nascido. Aposto que há milhares e milhares de ínfimos pormenores que teriam modificado absolutamente tudo, e vocês não teriam tido a menor chance.Ou, para citar o meu inteligentíssimo pai: a vida é uma loteria gigantesca, na qual só os números vencedores são visíveis. “
A Garota das Laranjas é o 11º livro da jornada 50 livros em 2009 ( que eu não vou conseguir cumprir pois o ano já está na metade…)
Texto de Lilly na íntegra. Lector in Fabula acrescenta ao comentário final de Lilly: você já está realizando o Desafio 50 Livros, percebeu não?

6 de julho de 2009

Qual a proposta do Bookess? Saiba aqui.

PS: Entrevista inédita concedida ao TMS5 (blog coletivo de Nelida Capela) em 18/05/2009
1) O que é o Bookess? Desde quando existe? O Bookess é uma editora e uma biblioteca virtual, ou seja, é um local no mundo virtual onde é possível criar seu próprio livro ou distribuí-lo em nível mundial, sem restrições e gratuitamente. Os leitores da Bookess fazem uma seleção das melhores publicações e os mais bem colocados no ranking recebem uma versão gratuita impressa e em casa. O Bookess existe desde abril desse ano.
2) Como funciona? Qual a proposta?
Atualmente, as pessoas se cadastram no Bookess e escrevem seus livros gratuitamente. Outras pessoas podem colaborar com a iniciativa e criar um livro participativo, em que cada um conta um pedaço da história. Além disso, estamos preparando a Bookess - a editora. Como vai funcionar? Estamos criando um sistema que dará condições aos autores de adquirirem os exemplares de sua obra. A grande novidade é que os autores poderão comprar apenas um exemplar impresso, se desejarem, ou ainda dois ou três para darem de presente. Além disso, os autores poderão comercializar seus livros impresso e ainda ganharem um dinheiro com isso. A única coisa que exigimos é que a versão na internet seja gratuita. Nossa proposta é estimular a leitura por meio da tecnologia. Queremos que todos os livros sejam de acesso gratuito e disponível para quem tiver acesso a internet. Esse é o nosso foco. Incentivar a leitura, tendo como base o uso do computador, sem custos para contribuir com a formação de uma cultura de leitura.
3) Quem participa?
Qualquer pessoa pode participar do Bookess, basta se cadastrar, não tem custos. Quanto a nossa empresa, ela ainda é pequena. Somos em seis pessoas.
4) Quais os resultados obtidos?
Já temos no Bookess mais de 9 mil acessos mensais e cerca de 600 livros cadastrados.
5)Qual foi o interesse em participar do TMS5 - Tecnologia e Mobilização Social?
Devido a seu modelo totalmente gratuito, o Bookess é uma excelente plataforma para que jovens e crianças tenham acesso a livros, se relacionem em comunidades virtuais e possam, de fato, descobrir a paixão pela leitura. Quando acessamos o site do TMS, imediatamente a "ficha caiu". É uma possibilidade enorme de colocar o Bookess (eleito pela CEO World Magazine um dos 10 melhores sites de publicação digital do mundo) a serviço do impacto social positivo.

Novidades no Front da Literatura e do Mercado Editorial

Estou para publicar há algum tempo um post sobre o site Bookess, que conheci no Twitter. Finalmente, surgiu a oportunidade.
AN – A literatura convencional, com livros de papel, está com os dias contados?
Marcos – De forma alguma. A leitura gratuita pela internet será um grande impulsionador da comercialização de livros em papel. A sensação de ler os livros neste formato é insubstituível.
PS: Desejo agradecer Marcelo Cazado por me enviar a entrevista publicada no A Notícia, de Joinville, SC.

Esclarecimentos de O Livreiro para Lector in Fabula e para o Público

Nesse mundo internético e de bloggers, é muito bom quando conseguimos provocar diálogos enriquecedores. Todos ganham. Publico aqui o comentário da Rede de Leitores O Livreiro ao nosso post Skoob ou O Livreiro ? Eu fico com o Skoob
__________________
Agradecemos a atenção com a nova rede social O Livreiro. A rede social que foi inaugurada em 1 de julho está em beta, ou seja, é um embrião do que esperamos que ela se torne em breve. Ela tem ainda algumas instabilidades, como você bem observou e como costuma acontecer com projetos de internet em seu começo. Mas a ideia sempre foi criar e melhorar ainda mais o site com a ajuda e o feedback dos usuários. Por isso, agradecemos as suas opiniões e reforçamos que estamos desde o começo corrigindo eventuais problemas. O Livreiro é uma rede social que "remixa" ideias de diversos sites. Há vários sites estrangeiros que utilizam a ideia das estantes, como Shelfari e outros. "Remixar" não é imitar pura e simplesmente, é pensar como juntar aquela a outras boas ideias que possam ser úteis e bacanas para o público brasileiro. Há padrões que vão sendo criados na internet e seu aproveitamento é comum - o carrinho de compras começou na Amazon, por exemplo, é hoje é encontrado em diversos sites de e-commerce. Em O Livreiro, as ideias de outros sites são remixadas com outras novas. Ele junta agregador de notícias, área de comunidade, opinião sobre livros e área de relacionamento entre usuários, tudo num espaço só. Tem ainda um Clube do Livro com o escritor Milton Hatoum, aproveitando o hábito tão saudável da conversa sobre livros que permeia todo o site. Sobre o fato de haver livros que não fazem parte da base da Livraria Cultura: sim, isso deve acontecer. De início, começamos com 2 milhões de livros. A ideia é justamente ir adicionando nos próximos meses um espaço para sugestão de livro e, em seguida, provavelmente, uma área wiki para que os próprios usuários complementem os dados. Tudo vai depender do feedback da comunidade (vale lembrar que existe uma área do site específica para ele - http://www.conhecaolivreiro.com.br/feedback/). Resolvemos começar aos poucos e acreditamos que é uma decisão acertada, como o conceito beta vem mostrando em projetos bem-sucedidos na internet. Ficamos felizes ao ver que você interagiu com o site e criou uma comunidade, que promete ser muito interessante. Contamos com sua ajuda para tornar O Livreiro um espaço cada vez melhor para quem gosta de livros.
Abraço,
Equipe O Livreiro
PS: E-mail publicado na íntegra e com autorização da Equipe O Livreiro.

Começam os eventos Pós-FLIP (1)

Amanhã tem PÓS-FLIP no Oi Futuro. A partir de 19:30. R.Dois de Dezembro,63. Vai ser muito legal Compareça! Nomes como Zuenir Ventura vão estar lá. Oi Futuro! fica na Rua Dois de Dezembro, 63, Flamengo. Aberto à visitação de terça a domingo, de 11h às 20h Fonte: Twitter Oi Futuro!

4 de julho de 2009

Do Livro à Cozinha - Páginas de uma Viagem Gastronômica

A vontade de criar uma comunidade de leitores de livros que falem também de gastronomia surgiu da minha própria memória de livros lidos. Muitos tem em seu enredo a gastronomia. Achei que seria interessante, diante da proposta das novas redes sociais, reunir pessoas que gostem e compartilhem do mesmo tema. Portanto, fica aqui um convite aberto a todos os leitores que queiram colaborar na construção desse conteúdo específico: livros que tragam experiências gastronômicas - seja uma biografia, um romance, um livro histórico.
Para entrar na Comunidade, acesse o site de O Livreiro http://www.conhecaolivreiro.com.br
E Boa Viagem !

Livro Novo de Sonia Hirsch

Quando penso em saúde e informação, penso em Sonia Hirsch. Uma surpresa boa encontrar os livros de Sonia na Livraria Timbre, principalmente o lançamento Amiga Cozinha, da editora Corre Cotia. Nessa época de Outono e Inverno, para mim, ler e reler Atchim é uma questão de sobrevivência. Conheça os livros da editora no link acima.

3 de julho de 2009

Skoob ou O Livreiro ? Eu fico com o Skoob

Já falei da rede de leitores chamada Skoob. Ontem falei da recém inaugurada rede O Livreiro. Trabalhei a noite inteira com testes em O Livreiro. Gostaria de compartilhar algumas anotações com os leitores. Ainda rolam alguns bugs no Livreiro, pois estão testando o sistema. Mas, o que mais me decepcionou foi a imitação feita do Skoob - as prateleiras são as mesmas, os itens de catalogação parecidos. É claro que se diferencia numa ou outra coisa, mas... O pior é quando o leitor, em todo o seu esplendoroso direito, vai indicar suas leituras - pode somente carregar na "sua página" os livros que estão cadastrados no sistema da patrocinadora: a Livraria Cultura. Nada contra a "Cultura", mas o leitor tem o direito de indicar o livro que quiser, concordam? Já que se trata de uma rede de leitores. Achei isso frustrante. No Skoob, quando o livro que busco não está cadastrado, eu mesma posso fazê-lo. E o cadastro no Skoob é um procedimento muito sério: é necessário entrar com ISBN, nome do livro, do autor, edição, editora, ano de publicação, número de páginas - é tudo muito profissional, um grande obra colaborativa. Bom, eu devo confessar, prefiro usar mesmo o Skoob, mas foi bom ter testado a rede O Livreiro. Tive a certeza de uma coisa: a gente não precisa reinventar a roda!

2 de julho de 2009

Comunidade Do Livro à Cozinha - Páginas de uma Viagem Gastronômica

Criei uma Comunidade no Conheça O Livreiro. Se você adorou livros como Sob o Sol da Toscana, Um Bom Ano, Casamento à Italiana, Ponte das Turquesas, O Livro do Sal, entre outros romances e livros que trazem receitas maravilhosas, compartilhe sua leitura conosco. Seja bem-vindo(a) a essa viagem!

O Livreiro...essa idéia vai dar o maior samba

Estamos num momento de amadurecimento do mercado editorial e de renascimento do leitor, com toda a força. As políticas públicas favorecem, as redes sociais favorecem, os suportes digitais favorecem. Estamos num momento feliz. Digo isso na primeira pessoa do plural, pois comigo há um coro, por exemplo, a Confraria dos 50 - bloggers e leitores reunidos e compartilhando leituras. Quanto mais leitores, melhor - enriquece o debate. Por isso acho que o site Conheça o Livreiro vai dar o maior samba. Eu já me cadastrei e estou testando. E você? Não fique parado(a) aí, venha!

1 de julho de 2009

Saiu o Prêmio Off FLIP 2009

Já formam definidos os vencedores do Prêmio OFF FLIP de Literatura 2009. Os textos foram avaliados por Guiomar de Grammont, Luiz Ruffato e Mário Araújo (contos) e por Adriano Espínola, Antonio Carlos Secchin e Sérgio Martagão Gesteira (poesia). Em sua quarta edição, a premiação teve a participação de autores de todo o Brasil e também do exterior. O primeiro colocado e os demais vencedores receberão R$ 10 mil no total, além de estadia em Paraty e ingressos para mesas de debate da Festa Literária Internacional. Os 40 textos finalistas serão publicados em uma coletânea pelo Selo OFF FLIP. A lista completa dos vencedores e finalistas está disponível no site do Prêmio. Os 40 textos finalistas serão publicados em uma coletânea pelo Selo OFF FLIP. O primeiro colocado em cada gênero (conto e poesia) receberá ainda uma bolsa de criação literária de R$ 5 mil patrocinada pelo Instituto Maximiano Campos e pela FLIPORTO - Festa Literária Internacional de Porto de Galinhas.
Fonte: PublishNews

Annie Luporini indica A Sociedade Literária e a Torta de Casca de Batata

É um livro surpreendente pela delicadeza e senso de humor com que trata do sofrimento, do preconceito, da solidariedade no sofrimento, da coragem, da transformação e tantos e tantos outros de nossos conflitos.Através de depoimentos simples, em forma de cartas, mas de grande força nos leva da mais terrível bestialidade aos mais sublimes sentimentos e se a bestialidade deixa cicatrizes profundas a generosidade, o ser capaz de sentir o outro, a amizade fortalecem e transformam o homem capacitando-o a viver a vida no que ela lhe oferece de bom. Mary Ann Shaffer encontra uma forma inusitada que funciona a perfeição. São depoimentos na medida certa, pequenas cartas que nos vão aos poucos revelando o sofrimento e a força desse povo das Ilhas do Canal, durante a Ocupação. Lugar esquecido que muitos de nós nem se davam conta de sua existência e que hoje tenho certeza que passaram a admirar. Além de tudo consegue como poucos celebrar a palavra escrita em todas as suas formas e nos fazer ver como a arte é uma forma intensa de diálogo. (texto de Annie Luporini na íntegra)
PS: Lector in Fabula agradece a preciosa colaboração de Annie Luporini