21 de dezembro de 2011

Isabel Allende: O Caderno de Maya (2)

O melhor trailer book que já vi. Campanha italiana para divulgação do novo livro de Isabel Allende: Caderno de Maya, recém lançado no Brasil. Com este trailer, o leitor irá se apaixonar pela trama. Reclame seguido da própria autora contando a história do livro. Assistam!


30 de novembro de 2011

Sugestão de Leitura da Lilly

Sem duvida o melhor livro que li nos ultimos tempos.É a estória de uma familia, uma estória de amor, de vida e de luta, narrada por um cão terrier, Enzo.Já em seus ultimos dias de vida, Enzo relembra como foi que entrou na vida de Denny, um piloto de corridas, de como compartilhou com ele sua paixão pelas pistas. Para que Enzo não se sentisse abandonado, Denny deixava a TV ligada no canal “National Geographic”. Foi assistindo a estes programas e documenários que Enzo formou sua opinião sobre as coisas do mundo.No livro, várias referencias ao ídolo de Enzo e Denny, Airton Senna. Intercalados aos capitulos em que o cão conta a sua vida na familia de Denny, capitulos curtinhos em que ele fala sobre corrida e pilotagem, e como estas noções usadas no esporte podem ser transportadas para a vida real.Enzo é sábio e entende porque veio ao mundo.Eu recomendo a TODOS que amem cães.Para que entendam que o que nos é oferecido no pacote quando adquirimos um cão é muito mais que companhia.Cães não falam, mas como entendem um ser humano!

Suplício de Papai Noel

E uma vez, tentaram combater o consumismo de Natal. 
Saiba neste ensaio de Lévi-Strauss.
Leitura altamente recomendada!


No Natal sempre me cobro esta leitura!


29 de novembro de 2011

28 de novembro de 2011

Guerra e Paz: edição definitva


Tradução direta do russo por Rubem Figueiredo.
Edição primorosa da Cosac Naify.
Presentaço de Natal!

24 de novembro de 2011

Para complementar a leitura de Sangue, Ossos & Manteiga

Comer e Cozinhar com Gabrielle Hamilton

Novidade chegando para o Natal. Quem gostou de ler Cozinha Confidencial, de Anthony Bourdain, editado pela Companhia das Letras, vai gostar de Sangue, Ossos e Manteiga, de Gabrielle Hamilton, editado pela Rocco. Já estamos com um em mãos para experimentar, quero dizer, ler :o) 

Leia abaixo a sinopse da editora:


Quando criança, Gabrielle Hamilton, atualmente proprietária do badalado restaurante Prune, no East Village, em Nova York, viveu em fazendas e teve contato com a vida pulsante do campo, suas densas florestas, riachos e seus celeiros centenários. Neste cenário exuberante e bruto, a autora, filha caçula de uma leva de cinco irmãos, constrói as primeiras páginas de Sangue, ossos & manteiga, seu autobiográfico romance de estreia.

O livro, que lança o leitor em um mundo sensorial pleno de imagens, cheiros e texturas, vai além de um registro de memórias escrito em primeira pessoa e capaz de revelar a trajetória pessoal e profissional da chef de cozinha. Gabrielle Hamilton investe na narrativa, nos detalhes e sentimentos das personagens descritos minuciosamente sem perder a leveza. A relação com os pais, particularmente com a mãe, francesa e muito habilidosa na cozinha, se desenha através dos acontecimentos e também da impressão que eles causam.

As caminhadas com a mãe na primavera, na floresta próxima da casa da família, despertaram na escritora os sentidos tão preciosos para quem lida com odores e sabores. Desta maneira, rememora, ela aprendeu, por exemplo, a distinguir os verdadeiros chanterelles de seus similares alaranjados venenosos e a colher dente-de-leão e montar uma salada, usando muita gordura, ovos e bacon para temperar o amargor. Enquanto a maioria das mães estava sempre alerta pra impedir que seus filhos enfiassem pedaços de pau, pedras ou insetos na boca, a sua, pelo contrário, a “trancava fora de casa” todos os dias, mesmo na chuva, e demonstrava como comer lesmas e grama.

O aprendizado de Gabrielle também incluiu a separação brusca dos pais. Este fato que deixou traumas a obrigou a olhar o mundo e as complexas relações humanas com maior maturidade. As dificuldades financeiras, a sensação de ter sido abandonada pelos pais, principalmente pela mãe, e também sua sagacidade a impulsionaram a procurar os primeiros trabalhos em restaurantes ao mesmo tempo que concluía os estudos do ensino médio.

Aos 16 anos, apostando no melhor, mudou-se para Nova York levando consigo apenas 235 dólares no bolso. Mas esta era ainda uma mudança provisória, pois ela retornaria para sua cidade natal devido às complicações e encrencas arrumadas na metrópole.

Assim, sem nenhuma decisão ou desejo consciente de sua parte, a autora acumulou 20 anos de experiência na cozinha, contados a partir do bico lavando pratos na adolescência. Gabrielle trabalhou para bufês, colônias de férias, restaurantes, fazendo contato com uma diversificada gama de clientes e paladares: de crianças que comiam feito porcos a apreciadores e conhecedores do ofício, gente capaz, por exemplo, de diferenciar um lingueirão de uma lula.

Ao mesmo tempo uma grande inquietação a movia, fruto do contato com artistas e escritores. As vésperas de seu trigésimo aniversário ela pensa em investir na carreira literária. Algum tempo depois se matricula no curso que a tornará mestre em belas-artes, na área de literatura, pela Universidade de Michigan.

Sangue, ossos & manteiga prova que ela se tornou uma pessoa bem-sucedida em ambas as áreas: a cozinha e a literatura. Seu restaurante, na prática um lugarzinho independente de trinta lugares, cujas reservas são disputadíssimas, consegue faturar anualmente dois milhões de dólares; seus textos, celebrados e publicados no The New York Times e nas revistas GQ e Bon Appetit, seduzem leigos e especialistas. No livro, ela junta seus maiores talentos para narrar sua trajetória – da infância à maturidade, passando pelas hesitações da juventude –, e fisga o leitor pelo estômago com sua prosa de dar água na boca.

Não deixe de conferir também o site do livro Blood, Bones & Butter

22 de novembro de 2011

Ines de la Fressange


Além do livro ser um charme, a começar pela capa, as dicas são maravilhosas, principalmente aquele que fazem emergir a beleza interior.

A edição é da editora Intrínseca, que fez a capa do livro como se fosse um Moleskine. Vejam aqui.

Uma bela dica de presente de natal. Comecem a anotar aí!

21 de novembro de 2011

Vai chegar e parece ser muito bom: Os Filhos da Viúva

Parece ser um daqueles romances que envolve do início ao fim, com personagens fortes e mistérios de família. Assim que chegar às livrarias, vou procurar ler.

Fica a sinopse da editora para vocês terem ideia do quão interessante parece ser.

Laura Maldonada Clapper, beldade cinquentona autoritária, vai fazer uma viagem de navio à África com o marido, Desmond, um homem pusilânime e com queda para a bebida. Na véspera da partida, ela recebe em seu apartamento um pequeno grupo: Clara, a tímida filha de seu primeiro casamento; Carlos, seu irmão gay, crítico de música fracassado; e Peter, um editor amigo da família. No bota-fora, que se prolonga noite adentro num restaurante caro, à medida que o álcool vai fazendo efeito emergem podres e interditos dos Maldonada, família de origem hispano-cubana cuja matriarca, Alma, a viúva do título, está internada num asilo. Antes do fim dessa longa noite, porém, Laura revela uma informação que vinha mantendo em segredo. A revelação lança novas luzes a tudo o que aconteceu até então. O efeito é vertiginoso tanto sobre os outros personagens como sobre o leitor.O resultado é uma prosa densa, repleta de tensão e surpresas, que convida o leitor a descobrir as verdades ocultas por trás de silêncios, olhares e alusões.

Conheça Paula Fox no site da editora Companhia das Letras

7 de novembro de 2011

Sugestão de Leitura da Lilly


Jacob Jankowski  tem93 anos e vive em uma casa de repouso. A chegada de um circo na frente do asilo e o comentário de um dos internos desperta nele lembranças sobre seu passado.Aos poucos entre as lembranças do passado e seu presente vamos conhecendo a história de Jacob, aos 23 anos e no último ano de veterinária.Seus pais morrem.Filho único, fica atordoado com a perda e descobre depois que para mante-lo na faculdade seus pais pagavam a segunda hipoteca da casa. Sem familia, nem bens, sai sem rumo até cruzar com um trem que transporta o circo irmãos Benzini.Entra como clandestino no trem, e passa a integrar a troupe.A escritora fez uma pesquisa excelente sobre como era a vida dos que trabalhavam em circos no começo do seculo, tanto os artistas, como os trabalhadores braçais. A tirania de Tio Al, o dono do circo,August seu administrador e apresentador casado com Marlena, um anão, agora são são as pessoas que vão substituir a familia de Jacob. No livro que li, Robert Vampiro Pattinson e Reese Linda de Viver Whiterspoon ilustravam a capa, então é impossivel não imagina-los na pele de Jacob  e Marlena. Nao assisti o filme, mas adorei o livro.


Título: Água para Elefantes
Autora: Sara Gruen
Editora: Sextante
Blog Isso é Coisa de Lilly

Dia de Cecilia Meireles

Faria hoje 110 anos.

Para o dia de hoje:

"Liberdade, essa palavra que o sonho humano alimenta, que não há ninguém que explique e ninguém que não entenda."  Cecilia Meireles


28 de outubro de 2011

Planeta Literário

Explorei pouco essa coleção da Editora Planeta. O livro O Mundo, de Juan José Millás foi recomendação da Ana Perin, leitora refinada que foi amiga na Livraria Timbre e depois dela. O título faz parte da seleção Planeta Literário, cujos títulos são o primor da literatura contemporânea universal. Ainda não o li e ele permanece na minha lista.

Sinopse da Editora:
O mundo é desses raros livros que se equilibram perfeitamente entre a autobiografia, a ficção e a poesia. Os olhos do menino Juanjo que descobrem o mundo se confundem com o do escritor maduro, que carrega consigo para a vida adulta as reminiscências de uma infância em que o universo era construído entre a rua e a casa, os amigos e os parentes. Um convite delicado e prazeroso para construir e viver seu próprio mundo. Juan José Millás foi contemplado com o Prêmio Planeta 2007 por essa obra.

22 de outubro de 2011

Dia D


Evento inédito no Brasil quer marcar a data de nascimento de um de nossos maiores poetas: Carlos Drummond de Andrade. A iniciativa é do Instituto Moreira Sales e a programação acontece em vários pontos do país. Veja +

21 de outubro de 2011

Mana Bernardes: um livro, uma jóia, um projeto de arte

Já está na Livraria Timbre, Shopping da Gávea, 2º Piso, o livro Mana e Manuscritos, de Mana Bernardes, primorosamente editado pela Aeroplano. O livro, neste caso também um objeto de arte, reúne a obra em joalheria e a obra em texto da autora. A partir da capa, compreendemos que não se trata de um livro comum, segue os padrões de estética de editoras como a Cosac Naify. Por exemplo, a capa é um poster que pode ser emoldurado. O livro é acompanhado de CD com Mana recitando os textos da parte dos manuscritos. As páginas são confeccionadas com diferentes tipos de papel, equilibram cores com o PB minimalista da obra poética.  As minhas descrições serão pobres em face ao livro que merece ser manuseado e levado para casa. Além do seu aspecto estético e do conteúdo poético, chamo atenção para o registro social e sustentável da joalheria de Mana: feita em material reciclável e com participação de projetos sociais na confecção. Eu já comprei o meu, falta agora é comprar uma jóia :o) Visitem o site de Mana Bernardes

20 de outubro de 2011

Fragmentos de Marilyn Monroe

Chega às livrarias os fragmentos escritos por Marilyn Monroe.
A versão brasileira está sendo editada pela Tordesilhas Livros.

19 de outubro de 2011

Faces na Livraria Timbre

A literatura nas redes sociais: Facebook Livia Garcia-Roza


Alguns escritores tentam, mas nem todos se aventuram nas redes sociais. Poucos conseguem compreender e perceber a dinâmica das pessoas no mundo digital, no Facebook, por exemplo. Indico, para quem acessa as redes, a página do perfil de Livia Garcia-Roza, que acaba de lançar Faces, livro com as postagens da autora no Facebook. Não deixe de ler :o)

17 de outubro de 2011

22 de setembro de 2011

Viaggiando con Passo di Volpe


Poema da autora italiana Dacia Maraini. Um dos poemas que mais gosto, foi traduzido por Marina Colassanti para a Revista Poesia Sempre, da FBN, número dedicado à Itália. Uma raridade encontrar essa revista hoje e ver de novo o texto original e traduzido. O que me consola, e muito, e poder ver a autora lendo o poema no original :o) Quem não conhece, espero que goste.

16 de setembro de 2011

24 de agosto de 2011

Jorge Luis Borges


tankas
6.

No haber caído,
Como otros de mi sangre,
En la batalla.
Ser en la vanna noche
El que cuenta las sílabas.

20 de agosto de 2011

Sábado: Dia de Livraria

Sábado costumava ser o dia dos suplementos literários dos jornais JB e O Globo, lembram? Domingo ficava com a Folha de São Paulo e o Estadão, ainda o The New York Times com sua revista de críticas maravilhosa, referência para muitos editores brasileiros. Hoje, essa realidade mudou, notícia sobre livros se faz todos os dias, o JB impresso não mais existe, tão pouco o Caderno Ideias, o Prosa e Verso ainda resiste, os jornais de São Paulo mantém a qualidade. Mas uma lacuna passou a existir: mesmo todos os canais de divulgação do livro não são suficientes - mais em qualidade do que em número - para divulgar ao leitor a quantidade de bons livros lançados no mercado brasileiro. Talvez o preenchimento dessa lacuna seja um sonho. Talvez. Escrevo isso a propósito do livro que encontrei na Livraria Timbre, e cuja leitura está chegando ao fim. Tenho uma resistência natural à literatura chinesa - prefiro a literatura japonesa - mas A Cozinha da Revolução, de Ma Jian, que a Editora Record traduziu foi uma surpresa...agradável! O romance apresenta dois personagens: o escritor profissional e o doador de sangue profissional. Em seus diálogos e ficções, surge a China num período "moderno" e mais personagens cujas vidas retratam o país num momento particular, em geral pouco contado nos livros de história. O que mais gostei foi da metanarrativa que foca no processo da criação literária, por exemplo o trecho:

"O escritor diz para si mesmo: Ela não tinha imaginação. Apoiava-se em sua fila de casos amorosos para encontrar material para suas histórias lacrimogêneas. Os críticos alegavam que ela era uma grande escritora, diziam que seus livros eram inspirados. Para atingir sucesso como autor hoje em dia, é preciso ter uma vida problemática. Quanto mais alguém sofre, mais venderá seus livros." (p.154)

A leitura de Ma Jian me remete à outra questão: a existência das livrarias. As boas livrarias, que se preocupam em trazer livros e autores de qualidade para os seus clientes, são o verdadeiro canal de promoção do livro, são elas que estão na linha de frente pelo livro - as editoras sabem disso. Em suas vitrines e prateleiras sentimos o termômetro da literatura. É lá que está preenchida a lacuna da divulgação. Se não fosse pela livraria, eu não saberia da existência de A Cozinha da Revolução e outros livros e autores que já descobri pela vida. Ainda bem que as livrarias não morreram, e não morrerão. Se não fosse por elas, estaríamos órfãos de informação, pois livreiros ainda existem, graças aos deuses. Mesmo com a vida corrida, tento ao menos reservar os sábados para dar um pulinho lá, nas livrarias, e namorar os livros e ser encantada pelos seus livreiros. Por isso digo: Sábado é Dia de Livraria! 

8 de junho de 2011

5 de junho de 2011

11 de maio de 2011

Acontece em São Paulo: Fronteiras do Pensamento


A programação será a seguinte:


25/05 quarta   Fredric Jameson
Norte-americano, crítico literário e pensador político, Prêmio Comemorativo Internacional Holberg em 2008.

14/06 terça   Shirin Ebadi
Iraniana, Prêmio Nobel da Paz 2003. Primeira mulher a ocupar o cargo de juíza no Irã. Líder mundial pelos direitos humanos, exilada na Inglaterra.

22/06 quarta   Miguel Nicolelis
Brasileiro, médico neurocientista, seu trabalho com próteses neurais integra a lista das “10 tecnologias que vão mudar o mundo”, segundo o MIT.

12/07 terça   Zygmunt Bauman
Polonês, sociólogo, Prêmio Príncipe das Astúrias em 2010, autor de Modernidade líquidaO mal-estar da pós-modernidade e Vidas desperdiçadas.

09/08 terça   Lech Walesa
Polonês, Prêmio Nobel da Paz 1983, fundador e líder do Sindicato Solidariedade e ex-presidente da Polônia.

28/09 quarta   Luc Ferry
Francês, filósofo, ex-ministro da educação da França, autor de Aprender a viver A nova ordem ecológica.

22/11 terça   Alain de Botton
Suiço, filósofo, autor de A arquitetura da felicidadeDesejo de status e Como Proust pode mudar sua vida.

06/12 terça   Orhan Pamuk
Turco, Prêmio Nobel de Literatura 2006, autor de IstambulNeveO castelo branco e Meu nome é vermelho.

Maiores informações aqui: Fronteiras do Pensamento

23 de abril de 2011

Dia de Livraria



Visite uma livraria, compre um livro, leia e a aproveite o finalzinho do feriado. Detalhe do interior da Livraria Timbre - Shopping da Gávea - 2º piso - Rio de Janeiro

20 de março de 2011

Literatura Abreviada por Enrique Vila-Matas

Adoro esse escritor catalão que em seus romances sempre privilegia a história do escritor e como esta influencia o seu oficio.Leia o resumo da editora Cosac Naify:

A história  conta a ensandecida trajetória de um grupo de intelectuais, pintores e escritores que, em 1924, decidem fundar uma sociedade secreta. Conhecidos como portáteis ou shandys – uma homenagem ao Tristram Shandy, de Laurence Sterne – o grupo, seletíssimo e obscuro, tem entre seus ideais o amor à escrita como diversão, o espírito inovador e a autoria de obras que pudessem caber facilmente em uma maleta. O projeto gráfico da edição acompanha a identidade visual da coleção, porém em formato especial, de bolso, num tributo aos shandys do autor. Em 2011, a Cosac Naify também lança Dublinesca, romance mais recente de Vila-Matas, inédito no Brasil.

19 de março de 2011

Um dos mistérios do mundo: a ficção

Há vários mistérios no mundo, mas o da ficção é um dos mais perseguidos. Como entender, mensurar, fracionar, laminar o processo e aspectos que envolvem uma narrativa brilhante, emocionate? Para nós leitores, basta-nos o prazer de ler uma história bem contada, que toque, que emocione, nos faça rir ou chorar. Para os aspirantes a escritor, sobra esse enigma: como funciona. Acho que funciona e faz-se de dentro para fora. Para saber mais:Como funciona a ficção, editado pela Cosac Naify. Leia mais abaixo.


Apontado por intelectuais como Harold Bloom e Susan Sontag como um dos melhores críticos de sua geração, o inglês James Wood é publicado pela primeira vez no Brasil pela Cosac Naify. Notabilizado por seus ensaios na revista The New Yorkere professor de crítica literária na Universidade de Harvard, Wood aborda, numa prosa inteligente e aguçada, os mecanismos, procedimentos e efeitos da construção narrativa. A representação do real na literatura é o eixo central da análise de Wood, que questiona os limites entre artifício e verossimilhança na ficção. Em dez capítulos, elementos fundamentais do texto ficcional são discutidos pelo autor: o personagem, o foco narrativo, o estilo. A partir de vasto e diversificado repertório literário – de Henry James a Flaubert, de Tchekhov e Nabokov a Beatrix Potter e John le Carré –, este livro “perspicaz e cheio de achados”, nas palavras de Milton Hatoum, traz análises reveladoras e acessíveis mesmo àqueles que desconhecem os rudimentos da crítica literária. Referência fundamental para escritores em formação, professores de literatura, e todos que se interessem pelo mundo das letras.