4 de fevereiro de 2012

Histórias de Livreiros (1)

(Foto Nelida Capela - Livraria Timbre - RJ)

"A capa é rosa, eu não sei o título, nem o nome do autor muito menos a editora..."
"Eu quero o livro que foi no Jô da semana passada..."
"Saiu no Caderno de Literatura do O Globo, eu tenho certeza..."
"Eu comprei aqui outro dia...ou foi na..."

Não possuímos bola de cristal, mas assim mesmo tentamos adivinhar, afinal,somos livreiros.

Lidar com seres humanos não é fácil, todos que trabalham com serviço têm a mesma percepção, mas lidar com público de livros é algo espetacularmente diferente. Desenvolvemos a arte do ilusionismo e da adivinhação.

Adivinhamos títulos, escritores, editoras e histórias. Tentamos achar o livro certo para cada tipo de leitor que adentra nosso espaço. Subimos ao palco para contar a história deste ou daquele livro e olhamos nos olhos do nosso cliente com muita fé, porque se não tivermos fé no livro, o cliente não leva! 

Tudo isso com muito bom humor e amor...ao mundo da literatura. Nem sempre é assim, mas os casos mais extremos de indelicadeza a gente esquece, não adianta guardar rancor. O segredo é mudar a vibe - isso só aprendi depois de 10 anos de mercado, com a minha mestra dos livros, a Kiki, da Livraria Timbre. 

Algumas vezes, a bola de cristal embaça e ficamos vendidos. Outras vezes os livros escondem-se da gente na hora que mais necessitamos deles, "o sistema diz que tem um na loja!", o outro responde "não temos mais..." - já vi isso acontecer na Atheneo (Argentina) e na StrandBooks (Estados Unidos), por que não aconteceria aqui? Acontece. Se um ainda não aconteceu, pode escrever,  vai acontecer, é maldição de livraria.

E quando dá o branco total...mico!!!! E quando o livro torna-se uma cobra que quase morde? Outro mico. E quando o leitor dá a referência completa e você não sabe...porque não leu o jornal ou porque simplesmente é humano e erra?

Todo tipo de coisa acontece numa livraria. Cada livreiro tem a sua história. Mas o bom é o seguinte, adoramos fazer o que fazemos: levar livros para as pessoas. E não pergunte se damos desconto, hein, a gente corta um dobrado para sobreviver num mercado de grandes e pequenas livrarias. Mas amamos a nossa arte, temos o papel, a tinta e as histórias no nosso sangue.

Então...vai ler o que hoje?

(Na próxima semana tem+)

2 comentários:

Luciana Cortazio disse...

Poucas vezes na vida li algo TÃO VERDADEIRO! ME VI NA CENA...
Quando estourou o sucesso 'A Menina que Roubava Livros', o vendi para uma moça que queria o livro 'A menina se sombrinha vermelha'... (referência à capa...
Entre 'N' histórias lindas, engraçadas, tristes, interessantes... AI QUE SAUDADE!! rs.
Obrigada, Nélida!! :)

Nelida Capela disse...

Na próxima semana tem mais :o)