23 de fevereiro de 2012

Histórias de Livreiros (4)


Muitas vezes começa assim:
- Ah, deve ser bom trabalhar em livraria. Vocês ficam lendo o dia inteiro, não é?
Eu olho para  eles e tenho vontade de dizer:
- Trabalhar em livraria é muito bom, mas a fantasia de passar o dia inteiro lendo é algo muito romântico...
Mas faço cara de paisagem e digo:
-É muito bom trabalhar em livraria sim. A gente está bem perto dos livros e vê de antemão o que está sendo lançado no mercado.

E é mesmo! Temos muitas vantagens, claro, seria louca de não assumir isso. Por exemplo, estamos em dia com todos os lançamentos, pois temos o privilégio de abrir as caixas e ler as orelhas de todos os lançamentos recebidos das grandes editoras do país. Podemos escolher com calma o livro que vamos comprar para ler e ainda temos desconto por sermos funcionários - nada mais justo, pois precisamos nos abastecer de leituras para fazer negócios. Às vezes as editoras enviam cortesia de livros, algo que acontece pouco hoje em dia. 

Muitas vezes tento me colocar no lugar das pessoas para saber como elas imaginam uma livraria, pois não entendo de onde vem a ideia romântica de que ali se trabalha lendo e de que se pode viver de livros dando desconto. Para as livrarias de rede, talvez não faça diferença, mas para as pequenas, sobreviver é uma batalha. Como qualquer outro negócio, vendemos um produto nobre, atendemos de forma personalizada. Isso dá trabalho, mas faz parte do jogo. Colocar o livro como um produto não é desmerecer seu lugar no mundo. Tal como cinema, teatro, o livro tem um valor, carrega em si experiências humanas com alcance espetacular, pois pode transformar vidas. Por que não pagar por isso tal como compramos ingresso para cinema, teatro, show?

Mas sem dúvida, esse tipo de pergunta, a que inicia este texto, diminuiu bastante. Hoje, a maioria das pessoas sabe que manter uma pequena livraria não é fácil - sobre as livrarias mega e de rede eu não posso dizer grandes coisas, nunca trabalhei numa, tive essa sorte. E dão valor ao livro impresso, mesmo que também  leiam em tablets, kindles e outros suportes de texto. Mas essa é uma outra história... 



Nenhum comentário: